Bibliografia




Bibliografia
  • Alves, M. (2001). De que falamos quando falamos de contracepção de emergência…. Sexualidade & Planeamento Familiar, nº 29/30.
  • Araújo, J. (1999). Aborto sim ou não? Juntos pela Vida. Editorial Verbo.
  • Bankole, A., Singh, S., & Haas, T. (1999). Characteristics of women who obtain induced abortion: a worldwide review. International Family Planing Perspectives, 25 (2) , 68 - 77.
  • Bettencourt, E. (1992). Ainda o aborto. Consultado através do site http://www.presbiteros.com.br/Moral/Aborto/Ainda%20O%20Aborto.htm
  • Campos, A. (2000). Novas abordagens em relação ao aborto. Aborto Médico. Sexualidade & Planeamento Familiar, 27/28, 31-34.
  • Campos, A. (2007). Crime ou Castigo? Da perseguição contra as mulheres até à despenalização do aborto. Lisboa: Almedina
  • Correia Gomes, F. & Mendes, V. (2007). O Aborto e a IVG: O Sim e o Não. Porto: Legis Editora.
  • Cosme, M., & Leal, I. (1998). Interrupção voluntária da gravidez e distúrbio pós-traumático de stress. Análise Psicológica, 3(XVI), 447-462.
  • Cunhal, A. (1997). O Aborto, causas e soluções. Porto: Campo de Letras.
  • Dworkin, R. (1993). Life’s Dominion: an Argument about Abortion, Euthanasia and Individual Freedom. Nova York, Knopf.
  • Faundes, A., & Barzelatto, J. (2004). O drama do aborto. Komedi.
  • Ferreira, V. (1996). A questão do aborto em Portugal: sob a égide da hipocrisia e da passividade. Sexualidade & Planeamento Familiar, 9/10 (2), 26 – 30.
  • Figueiredo, P. (2006). Quando não se diz tudo o que se sabe. Do aborto e da psicopatologia. Sexualidade & Planeamento Familiar, n.º 42/43.
  • Foucault, M. (1994). História da Sexualidade. O Uso dos Prazeres. Lisboa: Relógio d’Água.
  • Galeotti, G. (2007). História do Aborto. 70.
  • Galvão, P. (2005). A Ética do Aborto. Dinalivro.
  • Jorge, C. (1997). Princípios Éticos e Biológicos para o Enquadramento da Interrupção não Punível da Gravidez. Porto: Medisa.
  • Leal, I. (2001). Interrupção Voluntária da Gravidez: O que a Psicologia pode e sabe dizer. Sexualidade & Planeamento Familiar, 32, 7-12.
  • Lopes, C. (1996). Debater o aborto em Portugal. Sexualidade & Planeamento familiar 9/10 (2) 20, 22.
  • Marques, R. (2006). Mulheres do Século XVIII. O Aborto. Lisboa: Ela por Ela.
  • Mendes, V., & Gomes, F. (2007). O Aborto e a IVG: O Sim e o Não. Porto: Legis Editora.
  • Noya, A., & Leal, I. (1998). Interrupção voluntária da gravidez: Que respostas emocionais? Que discurso psicológico?. Análise Psicológica, 3(XVI), 431-439. Lisboa: ISPA.
  • Oliveira da Silva, M. (1992). A gravidez na Adolescência. Relevância clínica da intervenção pré-natal. Lisboa.
  • Oliveira da Silva, M. (2005). Sete Teses sobre o Aborto. Lisboa: Caminho.
  • Pereira, R. (1995). A Justificação do Aborto no Código Penal Português. In R. Pereira (Ed.), O Crime de Aborto e a Reforma Penal (pp. 45-52). Lisboa: Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa.
  • Ribeiro, J., & Araújo, T. (1998). Atitudes de Técnicos de Saúde e Interrupção Voluntária da Gravidez. Análise Psicológica, 3(XVI), 469-479. Lisboa: ISPA.
  • Rosenblatt, R. (1992). Life Itself: Abortion in the American Mind. Nova York, Random House.
  • Santos, M. (2001). Julgar o injulgável. Sexualidade & Planeamento Familiar, 32.
  • Silva, M. (1992). A gravidez na Adolescência. Relevância clínica da intervenção pré-natal. Lisboa.
  • Silva, M.(2005). Sete Teses Sobre o Aborto. Lisboa: Caminho.
  • Silva, M. (2006). Ciência, Religião e Bioética no Inicio da Vida. Lisboa: Caminho.
  • Tavares, M. (2000). Movimentos de Mulheres em Portugal. Lisboa: Livros Horizonte.
  • Tomé, T. (1998). Contributo para o estudo da epidemiologia da interrupção voluntária da gravidez. Coimbra: Imprensa de Coimbra.
  • Vilar, D. (2001). Aborto: representação e práticas. Sexualidade & Planeamento Familiar, 32.
  • Xavier, P., Manuel, P., & Dias, M. (2000). O que é a vida afinal? Um estudo exploratório sobre o aborto. “Actas do 3º Congresso Nacional de Psicologia”. Ribeiro, L., Leal, I., & Dias, M.(Eds.), (pp. 619- 626). Lisboa: ISPA.
  • Zapian, J. (1996). Gravidezes inesperadas, porquê? Sexualidade & Planeamento Familiar, 6 (2), 23 – 26.






imagen